Após abandonar sessão, Flávio Bolsonaro pede destituição de Renan da relatoria da CPI

312
Foto: Agência Senado

Nesta sexta-feira (18), o senador Flávio Bolsonaro pediu destituição de Renan Calheiros (MDB-AL) do cargo de relator da CPI da Covid. Renan  recusou-se a fazer perguntas aos dois médicos que defendem o tratamento precoce que estão que depõem na comissão do Senado.

“Como não sou membro nem suplente da CPI queria solicitar para alguém que fosse que protocolasse um requerimento de destituição de Renan Calheiros da CPI. Tudo aquilo que discutimos [impedimento de Renan ao cargo] se confirmou com fatos reais. Essa postura do senador se levantar é um desrespeito não só às pessoas que estão aí, mas um desrespeito ao Senado e aos membros da CPI”, disse o filho do presidente da República.

“A postura de hoje, de se levantar, é um desrespeito não só às pessoas, mas ao Senado. É a constatação, o carimbo na testa de que não tem a menor possibilidade de continuar. Não atende a um requisito básico de alguém que tem que compor o relatório. Claramente ele não respeita o contraditório”, acrescentou.

“Comprovadamente fez uma compra fraudulenta. Gastou R$ 48 milhões para comprar respiradores de uma empresa fantasma e que não entregou os respiradores. Está constatado, está evidenciado, é um crime que a CPI, em sua grande maioria, estar interessada em investigar. Mas Renan Calheiros, para proteger seu filho… Dando a prova concreta de que está impedido de exercer essa função”, complementou.