Agora é oficial

336

Estava escrito: mais dia menos dia, o vice Hamilton Mourão, espécie de comentarista do cotidiano, seria desautorizado pelo presidente Jair Bolsonaro. O chefe de governo definiu como “opinião pessoal” uma declaração do vice sobre os cumprimentos devidos ao presidente eleito dos EUA. Bolsonaro disse até que mal vê Mourão, tampouco conversa com ele, o que é verdade: os encontros entre os dois têm sido públicos, em eventos esporádicos, a juízo do Cerimonial do Palácio do Planalto.

A “sapatada” serviu para demonstrar, mais uma vez, que não passa de fantasia qualquer “tutela” do generalato. Quem manda é Bolsonaro. A cada entrevista que concede, e são diárias, Mourão se afasta mais do núcleo do poder e principalmente da chapa de reeleição, em 2022.

Bolsonaro não gosta do fato de as opiniões de Mourão darem impressão de que há uma reserva de bom senso no governo, apesar do presidente. Para o núcleo duro do poder, no Planalto, “quem fala demais dá bom dia a cavalo”, ironia que se refere à maior paixão de Mourão: o hipismo.

Jogo bruto

A Polícia Federal instaurou inquérito para apurar panfletos falsos distribuídos, nesta quinta-feira (12/11), em vários pontos de Curitiba contra o prefeito Rafael Greca, candidato à reeleição pelo DEM. Três pessoas foram presas em flagrante pela Polícia Militar, com sacos cheios de material que estavam sendo espalhados no Ceasa, Tatuquara e demais bairros. Foram levados para a Polícia Federal.

Conta outra

O deputado estadual Goura (PDT) afirmou que o pagamento do 13º salário em dezembro não é antecipação, como anunciou o governador Ratinho Jr. Em 20 de outubro o parlamentar encaminhou ofício solicitando a antecipação para o mês de novembro. A intenção era evitar aglomerações e injetar recursos na economia. “Na verdade, o governo está repetindo o que fez no ano passado, quando liberou o 13° integral no dia 04 de dezembro. Isso não é antecipação. Na prática, essa medida anunciada não vai mudar o risco de aglomeração e de contaminação da Covid-19, que era uma das nossas principais preocupações”, afirmou Goura.

Em Foz dá Chico

A quatro dia das eleições, pesquisa do Instituto Opinião aponta a vitória e reeleição do prefeito Chico Brasileiro (PSD) em Foz do Iguaçu. No levantamento divulgado nesta quinta-feira, 12, Chico Brasileiro está na frente com 44,33% das intenções de votos seguido de Paulo Mac Donald (Podemos), com 34,8%;

Deteriorou

A imagem do presidente Jair Bolsonaro piorou nos dois principais centros urbanos do país, São Paulo e Rio de Janeiro, aponta pesquisa do Datafolha. Os levantamentos foram feitos nos dias 9 e 10, com margem de erro de três pontos para mais ou menos. Em São Paulo, a rejeição a Bolsonaro é de 50%, oscilação positiva sobre os 48% da pesquisa anterior. Já a aprovação oscilou para baixo, de 25% para 23%, com a avaliação regular estável (26% ante 27%).

Olha a censura

O Datafolha chama de “censura” a decisão do juiz que impugnou duas vezes sua pesquisa em São Paulo, com divulgação prevista para esta semana, mas, na verdade, diz a sentença, o levantamento descumpria várias exigências legais. Importante diretor de instituto de pesquisa, que pediu para não ser citado, explicou que “erros primários” levaram à impugnação e que “desleixo não é censura”. Impugnações de pesquisas são quase corriqueiras, durante as campanhas eleitorais no Brasil.

Exigência básica

Dos pontos citados pelo juiz Marco Antonio Vargas, o mais simples ainda não foi esclarecido: a falta da assinatura de um estatístico responsável. O juiz manteve a decisão, após pedido de reconsideração do Datafolha, que pode revertê-la no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). A impugnação da pesquisa Datafolha foi produto de ação do candidato Celso Russomano (Republicanos), que despenca nas intenções de voto.

Se prender, fui eu

Ao comentar atentado à candidata à prefeitura de São Vicente, João Dória disse que “determinou” à Polícia Civil apurar e prender o criminoso. Como se policiais civis precisassem de ordem superior para agir.

Curral

O clã Calheiros mostrou quem manda em Alagoas. Impediu na marra a candidatura do vice-governador Luciano Barbosa a prefeito de Arapiraca, e para não restar dúvida fez a Justiça Eleitoral retirar seu nome da urna.

Fantasia

Só a fantasia infanto-juvenil viu como “resposta a Bolsonaro” o post do embaixador de Donald Trump no Brasil elogiando os 245 anos dos fuzileiros navais. O republicano Todd Chapmann tem relações fraternais com Bolsonaro, que frequenta com os filhos seus churrascos dominicais.

Maia dá o trocco

A pouco mais de um mês do recesso e de sua presidência na Câmara, Rodrigo Maia voltou a criticar o presidente. Até porque Bolsonaro tem desconversado sobre sua pretendia nomeação para o ministério. O governador de São Paulo, João Doria, evitou o corpo-corpo contra o presidente Jair Bolsonaro, nos últimos dias. Para ele, certamente, mais importante que brigar é vender sua vacina para o Ministério da Saúde.

Inicio da Vacinação

O Serviço Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês) do Reino Unido já está anunciando a usuários do Facebook de lá que há vacinas contra o coronavírus para profissionais da linha de frente do combate à pandemia.

. Quem ganhou mais

Aposta do Psol nesta eleição, Guilherme Boulos receberá R$ 2,7 milhões de seu partido, pouco mais que o dobro do investido pelo Republicanos na candidatura de Celso Russomano. Márcio França teve repasse de R$ 2,2 milhões do PSB e mais R$ 500 mil do PDT, sigla de seu vice Antônio Neto. Jilmar Tatto recebeu R$ 4,8 milhões do PT e Joice Hasselmann R$ 5,9 milhões do PSL. Bruno Covas teve R$ 8,1 milhões, além de R$ 3,1 milhões de outros partidos da aliança.

Dossiê

O vice-presidente Hamilton Mourão recebe de aliados um dossiê contra integrantes da equipe de Paulo Guedes. O documento tem duas páginas e lista cargos ocupados por seis deles em gestões do PT. O dossiê contém outro tipo de informação sobre assessores. A iniciativa demonstra que avançam firmes os ataques de militares e assessores de Bolsonaro contra o ministro da Economia, cada vez mais isolado no governo e no Congresso. O grupo afirma que o ministro da Economia mais atrapalha do que ajuda.

Patinando

O triunfo do capitão reformado Jair Bolsonaro em 2018 pode ter servido de inspiração para o lançamento de diversos candidatos associados às polícias ou às Forças Armadas neste ano. Até agora, contudo, os postulantes a prefeito que apresentam nas capitais como policiais, delegados, sargentos, coronéis e outras distinções do gênero patinam nas pesquisas. Neste ano, há pelo menos 16 capitais com candidatos a prefeito ligados às forças de segurança. Nessas cidades, é possível identificar 24 candidatos da “família” de policiais ou militares. Pelo comando de Vitória, concorrem um coronel, um capitão e um delegado.

Mulheres perdem

Apesar de serem minoria no mercado de trabalho formal, as mulheres concentram quase dois terços (65,6%) da destruição líquida de vagas celestiais na pandemia. São dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério da Economia. Entre março e setembro, o saldo entre contratados e demitidos com carteira assinada foi negativo em 897,2 mil vagas, das quais 588,5 mil eram mulheres. Nos dois primeiros meses do ano quando ainda havia saldo positivo de vagas para ambos os sexos, a criação de postos para mulheres também foi menor e elas representam hoje 81% do resultado líquido do Cadastro Geral em 2020.

Calote

Preso nesses dias no Rio de Janeiro depois de mais de um ano foragido, o empresário Jonas Jaimovick, dono da JJ Invest, tem contas a acertar com o futebol carioca. Ele deu o calote em quatro times pequenos do Rio que eram patrocinados pela sua corretora. Jaimovick é acusado de montar um esquema de pirâmide financeira com prejuízo estimado em R$ 170 milhões.

Sabotagem

Dentro do Ministério da Infraestrutura há quem enxergue sabotagem dentro da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) contra a privatização da empresa. Na semana passada, os administradores do Porto de Vitória deixaram de assorear o berço da atracação, impedindo que as embarcações de grande calado operassem no local. Às pressas, navios de maior porte tiveram de ser desviados para terminais privados de Vitória.

Idosos

De acordo com a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2019, dos 72,6 milhões de domicílios brasileiros 35% tinha pelo menos um idoso residindo nele. Nesses domicílios moravam 65,3 milhões de pessoas das quais 30,9 milhões eram não idosas, 12,9 e 12,8 de adultos e crianças, respectivamente. Entre os não idosos, 16,9 milhões não trabalhavam. Os idosos contribuíam com 70,6% do orçamento desses domicílios. Mais: no caso de morte de um idoso, pode-se esperar, em média, uma redução na renda mensal per capita domiciliar de cerca de 30%.

Frases

“Pagar 13º em dezembro não é antecipação.”

Deputado Goura