ACREFI debate impactos do crédito e cobrança no Brasil

341

Cleber Martins: “O objetivo é compartilhar conhecimento”

O universo da concessão de crédito envolve assumir riscos, mas uma gestão de cobrança eficiente mitiga possíveis contratempos nesta importante cadeia que, diretamente, colabora com o crescimento do País: o crédito possibilita a aquisição de sonhos. Essa foi a tônica do evento da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (ACREFI), neste mês, durante webinar sobre “Crédito e Cobrança: Resultados Assertivos, Cenário Desafiador”.

Cleber Martins,Consultor de Operações da Acrefi, exaltou a presença dos convidados. “O objetivo é compartilhar conhecimento, além de gerar valor aos participantes e discutir temas da atualidade”.

Clariana Vieira, Head de Recuperação de Crédito do Banco GM e Vice-coordenadora da Comissão de Crédito e Cobrança da Acrefi, comentou que o mercado financeiro passa por profundas transformações, criando oportunidades e desafios. “Trabalhamos para trazer conhecimento e superar esse cenário que estamos atravessando e, cada vez mais, impulsionar o segmento. Uma novidade neste momento de transformação digital, que estamos vivendo, é o quanto as novas gerações e as novidades transformam o setor – seja em pequenas ou grandes instituições financeiras. classificou.

Luiz Rabi, economista-chefe da Serasa Experian, mencionou sobre o dia a dia e o que afeta as instituições, diante do cenário de crédito e adversidades. Sobre a proposta de Reforma Tributária, em tramitação na Câmara dos Deputados (PL 2337/2021), o economista alertou que muita gente acredita que o maior livro do mundo é a bíblia, mas há um equívoco. “Não é a bíblia, mas o Código Tributário Brasileiro – pesa duas toneladas, dois metros de altura e 1,40 de largura. Houve um advogado que imprimiu e chegou nesse ‘livrão’. É preciso resolver a questão do gasto público e essa complexidade tributária – e se isso não se equacionar, não vejo muita saída nessas questões. Pode-se chamar de qualquer coisa, menos de Reforma Tributária: não terá grande impacto relevante na macroeconomia e somente servirá para redistribuir o ônus de quem paga mais ou menos Imposto de Renda (IR)”, finalizou Rabi.

Elias Sfeir, Presidente Executivo da Associação Nacional dos Bureaus de Crédito (ANBC), destacou que o crédito é um grande instrumento de recuperação da economia. “Crédito vem do latim credere – e ele é um impulsionador da economia”, disse.