"Seu Quié" era fogueteiro em Casa Amarela, no Recife. Passou a vida enfeitando o céu de taliscas incendiadas e espocando alegrias nas noites de São João.

"Seu Quié" era fogueteiro em Casa Amarela, no Recife. Passou a vida enfeitando o céu de taliscas incendiadas e espocando alegrias nas noites de São João. Mas "Seu Quié" tinha suas fidelidades políticas, sonhos revividos de velhos tempos da Coluna Prestes, do Cavaleiro da Esperança.

 

Todo ano, dia 3 de janeiro, "Seu Quié" fornecia os foguetões que estouravam de madrugada anunciando o aniversário de Luís Carlos Prestes. Iam lá buscar, ele entregava e só. Era sua participação política. E sua glória.

 

Em 64, vem o golpe, prendem "Seu Quié". Interrogado, nega tudo: – Faço fogos há mais de 50 anos. Não vou ficar apurando quem compra e para o que é que compram. Vendo, levam, acabou-se.

– Você fazia foguetões para o aniversário de Luís Carlos Prestes. Você sabe quem é ele?

– Não sei não. Sei só que é um moço aí, que é contra umas coisas aí e a favor de outras coisas aí. Mas quem é ele não sei não.

 Dialética

"Seu Quié" foi solto. Voltou ao xadrez para pegar a escova, a pasta de dentes, seus trecos. Os outros presos queriam saber como tinha sido o interrogatório. "Seu Quié" estava de fala curta:

– Neguei. Neguei tudo.

– Mas você negou?

– E eu ia gastar minha dialética com eles?

 

E voltou para Casa Amarela, seus foguetes, sua dialética.

 Dirceu

Ensinaram a Lula a dialética de "Seu Quié" e ele fez dela sua Bíblia. Nega tudo. Não sabe de nada. Nunca soube de nada. Nunca foi informado de nada. Para ele, o "Mensalão" foi uma traição: "Fui apunhalado pelas costas". José Dirceu, chefão dos "traidores" de Lula, aprendeu com ele e, com a dialética da negação, estava certo de livrar-se da acusação do procurador geral da República, que provou ser ele o "chefe da quadrilha dos 40".

 

A "dialética" de José Dirceu é dizer que, na Casa Civil, não sabia de nada, que os mais de 100 milhões de reais que Delubio Soares e Marcos Valério repartiram com o indecente presidente da Câmara João Paulo Cunha, com os corruptos presidentes e líderes de partidos aliados, inclusive do PT, tudo foi criação de Delubio, com seu ar sonâmbulo de mosca de curral, e Marcos Valério, com aquela careca de Kojac da maracutaia.

 Pré-pagos 

José Dirceu compra e recompra colunistas pré-pagos nas TVs e jornais para tentar convencer o País de que as reuniões dele, no Palácio do Planalto, com Marcos Valério, José Genoino, Delubio Soares, Silvinho Pereira e os presidentes e líderes do PTB, PP, PL, PMDB e outros, para a distribuição de dezenas de milhões em troca da sustentação da base parlamentar do governo no Congresso; que os encontros dele com os banqueiros do Banco Rural e do BMG, levados por Marcos Valério ao Palácio do Planalto; e que o jantar a três com a presidente do Banco Rural, Kátia Rabelo (ele, ela e Marcos Valério), tudo isso eram apenas luminosos foguetes nos céus encantados do governo. Nem "Seu Quié" acreditaria.

 Clandestino

Já tivemos no Brasil todo tipo de presidentes. Agora, temos um "presidente clandestino". Só pode "aparecer escondido":

 

1 – "No Paraná, para evitar possibilidade de vaias, o evento (de mais um anúncio do PAC, na sexta-feira) foi dentro de uma escola municipal (sic), em Guarituba, no município de Piraquara (nem o governador Requião sabe onde fica), cuja platéia foi cadastrada previamente. Todo o público tinha crachá de identificação, repassado anteriormente pelo cerimonial".

 

2 – "Em Porto Alegre, na Federação das Indústrias (também na sexta, para mais um PAC), temendo protestos, o cerimonial da Presidência montou um roteiro que dificultou a aproximação ao presidente. O temor era de que se repetissem as vaias que aconteceram no Maracanã, na abertura dos Jogos Pan-Americanos. Lula chegou ao aeroporto e foi direto para a sede da FIERGS, entrando pela lateral (sic) do prédio. Havia um forte esquema de segurança, dentro e fora do evento. Só entraram pessoas credenciadas" ("O Globo"). Triste país e triste presidente que só pode entrar pela porta dos fundos.

 Amiguinhos

A ministra Dilma Rousseff mais uma vez provou que manda mais no governo do que José Dirceu. A Denise Abreu, diretora da Anac, posta lá por Dirceu, teve que se escafeder. O Milton Zuanazzi, sustentado pela Dilma, continua lá, com seu ar superior de quem tem graves segredos da República.

 Zé-Tolo

O Piauí continua indignado com o cretino diretor da Philips no Brasil, que agrediu o Estado gratuitamente: "Se o Piauí acabar, ninguém vai saber".

 

O que é que um povo pode fazer para dar a resposta que precisa dar? Proibir governador, prefeitos, etc. de comprarem lâmpadas da Philips? Uma boa idéia. Jogar pedra nos postes com lâmpadas da Philips? Outra boa idéia. O que se podia esperar de um cara que se chama Zé-Tolo?